quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A melhor hora para começar a pedalar

Olá.
Bem, você deve estar lendo este post porque deseja uma resposta à pergunta acima. Para respondê-la, vou contar um pouco da minha história para chegar às minhas primeiras pedaladas em uma bicicleta.
Desde que me entendo por gente, eu desejo andar de bicicleta. Mas os meus tempos de infância eram bem difíceis financeiramente falando. Então, bicicleta obviamente era supérfluo, e meus pais não poderiam comprar uma, ainda que dividida entre mim e minhas irmãs. Soma-se a isso o fato de minha mãe não achar seguro eu e minhas irmãs irmos brincar no meio da rua. Então, fomos criados dentro de casa, e nosso esquema era de casa pra escola e vice-versa.
Nesse tempo, o trânsito também era diferente. Não era caótico como hoje em dia. Logo, eu ia a pé para a escola e, quando precisava ir para mais longe, pegava o bom e velho busão.
Havia a bicicleta do meu primo como a mais disponível possível. Mas, além de não poder ir lá sempre, as poucas experiências que tive com ela não foram animadoras. O medo de cair minava a vontade de aprender.
Com essas dificuldades, portanto, fui crescendo e deixando de lado a vontade de aprender a andar de bike.
Porém, neste ano de 2014, se o cenário ainda não é o ideal para os ciclistas, os ventos começaram a mudar a favor destes.
Após alguns anos de luta por parte da classe ciclista, o poder público municipal de Fortaleza começou a realizar obras e projetos que beneficiam os ciclistas, como a implantação de ciclofaixas e, mais recentemente, uma ciclofaixa de lazer todos os domingos. E já está em implantação o serviço de bicicletas compartilhadas, que permite a qualquer pessoa pedalar pela cidade sem precisar adquirir uma magrela própria.

Bicicletas compartilhadas.

Com todos esses incentivos, e aliado ao fato de o trânsito de Fortaleza estar cada vez mais impraticável devido ao aumento de automóveis nas ruas, minha vontade de aprender a andar de bike ressurgiu com toda a força. Porém, agora tinha um novo problema: como aprender a andar depois de velho sem parecer ridículo? Sim, não tentei aprender sozinho, mesmo com uma bike à disposição, por vergonha do julgamento alheio.
Após uma pesquisa na internet, descobri uma maravilhosa iniciativa de ciclistas voluntários e que ora compartilho com vocês: o Bike Anjo.
O Bike Anjo é um projeto que visa a incentivar as pessoas a começarem a pedalar pela cidade. Para isso, eles oferecem aulas a qualquer pessoa que deseja aprender, através da Escola Bike Anjo e também se dispõem para acompanhá-lo nos primeiros deslocamentos, como ir de casa ao trabalho, por exemplo, para que o ciclista iniciante adquira confiança.
Já informado sobre a Escola Bike Anjo, decidi ir lá experimentar. Pus meu nome numa lista e esperei minha vez. Surpreendi-me com a simpatia e a atenciosidade dos voluntários, que deixaram-me bastante tranquilo e à vontade nas minhas primeiras pedaladas. Em pouco tempo, já consegui pedalar sem a ajuda do voluntário. Felizmente, peguei o jeito bem rápido. Já fazia curvas e tudo. Só precisava melhorar a freada, mas, para o começo, foi supersatisfatório.

Eu na Escola Bike Anjo, dando minhas primeiras pedaladas.

Desde esse dia então, passei a praticar todas as manhãs numa bicicleta emprestada (enquanto não adquiro a minha própria) e, a cada dia, sinto-me mais à vontade na bike, já tendo controle sobre ela. Cada vez mais, pedalar está sendo uma coisa natural pra mim.
Então, respondendo a pergunta lá em cima, a melhor hora de começar é agora. Se você deseja aprender a andar ou mesmo precisa de ajuda para pedalar pela cidade, procure o Bike Anjo na sua cidade. Se não tiver, peça ajuda a alguém de sua confiança. Mas não deixe o medo te impedir de ser feliz pedalando. Pois, quanto mais você pedala, mais coragem e confiança tem.

Abraço.

Um comentário:

A partir de agora, todos podem comentar no blog, incluindo os anônimos. Contudo, para a sua segurança (e para a minha, claro), ele serão moderados. Só passarão os comentários relacionados ao assunto do post. Comentários com ofensas ou agressões não são bem-vindos. No mais, aproveite. Este espaço também é seu. Sabendo usar, não vai faltar.