terça-feira, 2 de novembro de 2010

E a mulher chegou ao topo do Brasil

                                                                                                                                                               
Olá.
É lógico que, independentemente do voto que cada um de nós confiou nas urnas, estamos vivendo um momento histórico. Elegemos a primeira mulher presidente do Brasil. É algo a se valorizar, visto que política no Brasil sempre foi um território predominantemente masculino.
Maaaaaaaaaas, é claro que muita gente não viu com muito bons olhos a candidatura de Dilma Roussef, do PT. Os maiores argumentos foi falta de experiência, nunca foi testada nas urnas, teve um passado de "guerrilheira" e esteve envolvida em escândalos. Ora. É importante que não sejamos injustos. Embora Dilma não tenha ocupado cargo eletivo até então, ele tem experiência sim em cargos administrativos. Eu não acho que secretarias e até dois ministérios seja lá uma experiência desprezível. E ela foi uma das que ajudou Lula a governar o país, fazendo com que este se torne o melhor em anos. Houve uma certa melhoria na qualidade de vida do povo sim. É pouco? É. Falta muito? Falta. Maaaaaaaas, a nova presidente tem que fazer e é nosso dever cobrar diariamente.
Bem, sobre essa eleição, ela nos deu uma visão do que o brasileiro realmente queria. E, pelo recado que foi dado nas urnas, o povo não se julgou preparado para um novo projeto e propôs um segundo turno entre dois projetos que já governaram. E escolheu o que achou melhor. O projeto do PT que, de alguma forma, soube conciliar a vontade de empresários e investidores com os anseios populares. Ao contrário de seu antecessor, que reduziu e muito os gastos com o social e promoveu uma política entreguista. Claro, ele teve fundamental importância na estabilidade da economia e do Plano Real, maaaaas, parou por aí. A privatização da Telebrás só não foi 100% positiva porque ainda são pouca empresas concorrendo no mercado, havendo até quase-monopólio, o que faz com que as tarifas sejam muito caras. Ou seja: pelo social, embora ainda não tenha resolvido completamente os maiores problemas, foi melhor sim que os anos do PSDB. A prova disso é que Lula adquiriu índice recorde de popularidade. Não foi de graça. E a proposta da Dilma é continuar tudo isso, segundo sua campanha. Por isso, a maioria do povo, de todas as regiões do Brasil elegeu essa mulher que é mineira, morou no Rio Grande do Sul e tem origem búlgara.
Pessoalmente, ela não era a minha candidata preferida, maaaaas, acabou sendo, dada a ameaça de o Brasil dar "meia-volta , volver" em tudo o que já foi conquistado. Eu já fui governado pelo PSDB de todas as formas possíveis e nenhuma delas foi positiva. Não havia portanto, jeito de eu ver com bons olhos um vitória do Sr. José Serra.
Bem, a eleição foi feita. Já conhecemos nossa presidente e nosso deputados e senadores. E temos que cobrar de todos, sobretudo, dos dois últimos, que são os que realmente decidem de forma mais direta a nossa vida. A urna é só o começo; Temos que estar atentos a esse povo sempre. E, se ao final do mandato, eles não corresponderem, é só não elegê-los novamente.
Boa sorte à Dilma. Ela agora precisa do apoio e da vigilância de todos nós, inclusive de quem não queria vê-la pintada de ouro. A nossa responsabilidade também é grande. Se nós falhamos, nós também fracassamos.
E até as próximas eleições, desta vez pra prefeitos e vereadores. Mãos à obra.
Abraço.

Um comentário:

  1. Pela milionésima vez direi a mesma opinião: Do PT eu preferia o Celso Amorim. Nele eu votava com gosto. Mas quem eu queria mesmo, mas mesmo mesmo, era a Marina Silva. Enfim, se o voto não fosse obrigatório sei não se a Marina não chegava lá hein...

    ResponderExcluir

A partir de agora, todos podem comentar no blog, incluindo os anônimos. Contudo, para a sua segurança (e para a minha, claro), ele serão moderados. Só passarão os comentários relacionados ao assunto do post. Comentários com ofensas ou agressões não são bem-vindos. No mais, aproveite. Este espaço também é seu. Sabendo usar, não vai faltar.