terça-feira, 21 de julho de 2009

Romário: vilão ou vítima?


Olá.
Com certeza, muita gente recebeu com espanto a notícia da prisão do jogador Romário por não-pagamento de pensão alimentícia dos filhos Romarinho, de 15 anos, e Moniquinha, de 19. Ele foi liberado após a confirmação do pagamento, mas amargou 22 horas de cárcere. Ontem, porém, no lançamento de um livro biográfico sobre ele mesmo, ele desabafou, em tom de vítima:
"Parece que virei o vilão do Brasil."

Ok! Não prentendo aqui questionar quem é ou não vilão, porque a lei não é regida por maniqueísmo, e sim, pela legislação. E ela é bem clara quando diz que, quando um casal se separa e um dos cônjuges detém a guarda dos filhos, o outro deve pagar pensão alimentícia a ser estabelecida pelo juiz. Quando o cônjuge que não detém a guarda deixa de pagar a pensão dos filhos, ele tem que ser preso. Isso é lógico.
O problema foi que quem foi preso foi Romário, o "Rei da Área", o goleador, o tetracampeão. Uma pessoa intocável e sagrada no imaginário popular e, portanto, não pode receber o julgamento dos mortais. Tem que receber tratamento diferenciado.
Maaaas, não é assim que a lei deve funcionar, senhores. Romário, antes de ser o mito que dizem que ele é, é um cidadão. E como tal, tem que responder pelos seus atos e arcar com suas responsabilidades legais.
Outra observação que deve ser feita: embora Romário esteja afirmando que está sendo "vilanizado" pela mídia, na verdade, o que eu observo é que a mídia ainda está sim do lado dele e eles elegeram como vilã a ex-mulher do Baixinho e seus dois filhos que reclamam a pensão. É só você ler criticamente as notícias e artigos de opinião que saem por aí que você também poderá chegar a essa mesma conclusão. Acusam, ainda que nas entrelinhas, a ex de Romário, Mônica Santoro, de ser uma aproveitadora, de ser uma maria-chuteira. Ora, mesmo que ela seja mesmo uma aproveitadora, ela não deixa de ser a mãe e tutora dos filhos de Romário e, portanto, tem sim toda razão ao cobrar a pensão atrasada. Afinal, Romário casou e teve filhos com ela por vontade própria.
E claro, Romário também tem todo o direito de alegar dificuldades financeiras para buscar um acordo entre todas as partes envolvidas na questão. Contudo, ele não pode simplesmente cortar a pensão dos filhos por conta própria. E se ele perceber abusos de sua ex-esposa, ele pode comunicar ao juiz e buscar algum mecanismo de fiscalização para que o dinheiro seja revertido em benefício dos seus filhos.
E ele tem que trabalhar também, ora. Ele teve esse monte de filhos porque quis. Agora ele que arque com as conseqüencias de seus atos. Como qualquer cidadão.
E que a lei valha para todos.
Abraço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A partir de agora, todos podem comentar no blog, incluindo os anônimos. Contudo, para a sua segurança (e para a minha, claro), ele serão moderados. Só passarão os comentários relacionados ao assunto do post. Comentários com ofensas ou agressões não são bem-vindos. No mais, aproveite. Este espaço também é seu. Sabendo usar, não vai faltar.