sexta-feira, 1 de maio de 2009

Ayrton Senna: 15 anos de saudade


Hoje é primeiro de maio, dia do Trabalho em todo mundo. Maaaas, ao mesmo tempo foi o dia que ficou marcado para sempre na memória dos brasileiros e, por que não dizer, do mundo inteiro. Num dia como esse, em 1994, a curva Tamburello tirava de nós o maior gênio que a Fórmula 1 já teve (e não venha dizer que foi o Schumacher).
Ayrton Senna da Silva, nascido em São Paulo, em 1960, sempre foi conhecido por ser um piloto rápido, habilidoso e também muito raçudo. Ao contrário desses merdinhas que pilotam os automóveis da Fórmula 1 hoje em dia, Senna nunca precisou de um carro espetacular para conseguir seus resultados. Chegou, inclusive, a quase vencer Alain Prost, o ban-ban-ban daquela época, com uma Toleman, que era simplesmente o pior carro que tinha, no GP de Mônaco, em 1984. Com esse mesmo carro, ganhou o primeiro ponto e os primeiros pódiuns (um segundo e um terceiro lugar).
E é claro que, quando ele pegou um carro competitivo, ele humilhou os adversários. Os únicos que ainda se aproximaram dele e, mesmo assim nunca foram tão superiores a ele dirigindo nas mesmas pistas foram Alain Prost e Nigel Mansell. Maaaaas é claro que, na maioria das vezes, Senna botou os dois no bolso facinho. Senna, ao contrário de Prost e Mansell, dirigia e vencia sobre praticamente todo tipo de circunstância: sol, chuva, carro inteiro, carro quebrado, carro com todas as marchas, carro sem marcha, enfim, o repertório do nosso campeão foi vastíssimo. Ele tornava a Fórmula 1 muito simples e, ao mesmo tempo, muito prazerosa, não só para os brasileiros, maaaas, para o mundo inteiro.
E com certeza, ele só não foi o maior piloto da história em números, porque o destino não quis.
O pior de tudo é saber que a morte dele poderia e deveria ter sido evitada, uma vez que outro piloto, Roland Ratzemberger, havia morrido no treino oficial daquele GP de San Marino, na véspera. Segundo a regra, a corrida tinha de ser cancelada. Maaaas o cachorro do Bernie Ecclestone, sempre de olho na grana, fez vista grossa e permitiu o fatídico grande prêmio.
Foi um golpe de misericórdia na emoção da F1 que, mesmo com tanta inovação, ainda não chega aos pés dos áureos tempos de Senna, Prost e Mansell nas pistas. Tá certo que aos poucos, a F1 está voltando a ser o que era quando eu comecei a acompanhar, maaaaas ainda falta aquele piloto genial, aquele que arranca suspiros da torcida a cada curva, a cada volta, a cada manobra, a cada ultrapassagem e, acima de tudo, a cada vitória.
E por mais que apareçam Fernandos Alonsos, Felipes Massas e Lewis Hamiltons, nunca mais teremos um Ayrton Senna.
Restam então as boas lembranças:



Lembro-me desta ultrapassagem de Senna Em Mansell como se fosse hoje (GP de Mônaco, 1992).


O antológico GP do Brasil, em 1993, quando Senna ganhou apenas com a quarta marcha e, do jeito que ele gostava: debaixo de chuva.

Senna x Prost: A rivalidade!

Primeiro título do nosso tricampeão, em 1988!


Embora, Senna não tenha vencido a prova, foi bacana assistir esse GP da Inglaterra, em 1992, onde Mansell, gentilmente, serviu de cavalo para o nosso herói.

Diante de toda a carreira vitoriosa, cujas lembranças são maiores do que a da tragédia, só nos resta dizer: 'Muito obrigado por tudo, grande Ayrton Senna do Brasil.
Abraço.

7 comentários:

  1. realmente, uma grande perda, mas maior do que as coisas ruins, ascoisas boas são.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Lembro-me bem quando eu acordava aos domingos e ouvia aquela músiquinha da vitória seguida do "AYRTON SENNA DO BRASIL!". Ele sempre será lembrado e lembrado com carinho e honras.


    *os dois comentários acima foram apagados por mim por conterem erros meus grosseiros na grafia do nome de Senna ¬¬

    ResponderExcluir
  5. Tinha uma música da Leandro & Leonardo que era ssim: "Sennaaaa, ele não fazia cena... Se-e-e-e-e-e-ena... Senna... Senna... ele não fazia cenaaa"

    ASUIhaHASOAShaso!
    Aí, depois, o Leandro também morreu.

    Já deve ter levado uns petelecos do Ayrton lá no além... AHSAUishashA

    ResponderExcluir
  6. Foi no dia da minha primeira comunhão, nunca irei esquecer.

    ResponderExcluir
  7. Ayrton Senna da Silva. Não mais do que o MAIOR DESPORTISTA E HERÓI DE UMA NAÇÃO CANSADA E NECESSITADA DE ALEGRIAS para mostrar AO MUNDO TODO que temos VERDADEIROS HERÓIS que JAMAIS SERÃO ESQUECIDOS!!! Saudades ETERNAS nossas ao INFINITO E ETERNO LÍDER HERÓICO.. AYRTON SENNA DA SILVA.. ou melhor.. como TODOS conheciam... AYRTON SENA.. DO BRASIIIIILLLL!!!!!! lágrimas!!!

    ResponderExcluir

A partir de agora, todos podem comentar no blog, incluindo os anônimos. Contudo, para a sua segurança (e para a minha, claro), ele serão moderados. Só passarão os comentários relacionados ao assunto do post. Comentários com ofensas ou agressões não são bem-vindos. No mais, aproveite. Este espaço também é seu. Sabendo usar, não vai faltar.