terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Série anticases: a venda de espaço na camisa de futebol levada às últimas consequências

Olá.
Com o futebol cada vez mais se tornando um negócio, foi-se o tempo de belíssimos e limpos uniformes de times de futebol. Hoje em dia, os torcedores se acostumaram (e até exigem) com camisas repletas de logotipos, lembrando macacões de F1, a fim de abastecer os combalidos cofres de seus clubes após anos de amadorismo (e até corrupção) de dirigentes. Antes, os patrocínios resumiam-se à frente do uniforme. Hoje, vemos nas costas, nos ombros, nas mangas, nos calções e até no "sovaco" da camisa.
Porém, o caso que vou mostrar extrapolou todo e qualquer limite de bom senso.
O mais triste da história é que trata-se do Guarani, um clube tradicional que já, inclusive, ergueu a taça do maior campeonato de futebol do país: o Brasileirão.

"Ainda tem espaço, fera. Anuncie aqui. Compro ouro".
Olha, é possível até perder o escudo do time no meio de tanto logotipo. Fico com o cérebro travado só de olhar. Too much information.
Tudo bem que o clube precisa de grana pra pagar salários de atletas, funcionários e outras despesas. Mas precisa diminuir a própria marca do clube a esse ponto?
Sem falar que esse tipo de branded placement não é benéfico nem para as próprias marcas que anunciam, tendo em vista que são muitas e estão próximas demais umas das outras. Para demonstrar o que eu quero dizer, peço que tire os olhos da imagem acima por um momento. De quantas você sabe dizer o nome? Se esse seu tempo sem ver for maior, você não terá gravado nenhuma.
Vamos valorizar mais as marcas dos clubes, diretores de futebol. Dinheiro é ótimo, mas não é tudo.
Procure marcas para fazer relação de parceria, não para fazer do clube uma mera mídia ambulante. Por maior que seja o valor envolvido, nunca deixem nenhuma marca ser maior que a de seu clube (e sim, isso é uma indireta para um clube acolá que fez até bandeirão pro patrocinador).
Fica o desabafo.
Abraço.

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Chimbinha, o grunge brasileiro

Olá.
Como vocês souberam pela mídia, o guitarrista Chimbinha Hendrix  saiu da banda Calypso devido a desentendimentos com a ex-esposa e vocalista Joelma.
Porém, como um guitarrista de refinado talento jamais poderia ficar desempregado, ele logo chamou a atenção de outras bandas que querem contar com seu passe.
Eis que Chimbinha recebe um luxuoso convite de Eddie Vedder para integrar o Pearl Jam.
Chimbinha hesitou um pouquinho, mas é claro que aceitou o convite.
E essa parceria já rende frutos, como você pode conferir no vídeo abaixo.
Som nas caixinhas.


Muito bom. Confesso que gostei muito dessa versão. Aprovo Chimbinha no Pearl Jam. Ele é nosso grunge.
 Dica involuntária de post de Larissa Bastos.
 Abraço.

quarta-feira, 13 de maio de 2015

As definições de escravidão foram atualizadas

Olá.
Apesar de havermos libertado os escravos de forma oficial em 1888, a mentalidade escravocrata de muitos brasileiros sobreviveu aos séculos.
Como, no Brasil, nunca se teve reais oportunidades para a parte mais carente da população mudar de vida, essas  pessoas precisavam se virar como podiam. E é sobre uma parte dessa que decidiu trabalhar como empregada doméstica que quero falar especificamente aqui.
Muitas mulheres, na falta de oportunidades melhores, optaram por usar de suas habilidades de donas de casa para servir a pessoas de renda mais abastada e, para isso, tiveram de aceitar todo tipo de humilhação, desde trabalhar longas jornadas diárias, até dormir no local de trabalho, como se um objeto da casa fosse.
Porém, se, hoje em dia, ainda não estamos no cenário ideal das oportunidades de trabalho para todos, ao menos a situação melhorou e muito.
Com tantos programas de incetivo do governo como Bolsa Família, Projovem, jovem aprendiz, Prouni e outros, ser empregada doméstica virou apenas mais uma possibilidade. E as que prosseguiram nessa área aos poucos não estão mais aceitando (e com razão) trabalhar em casa de madame por qualquer migalha e sob quaisquer condições. Soma-se a isso a aprovação da nova PEC das Domésticas, que vem pra dar mais justiça a essas trabalhadoras.
Agora, as patroas vão se emendar e pagar tudo direitinho pra domésticas, certo?
Nem tanto.
Ontem, li, perplexo, em um portal de notícias que as madames agora estão importando escravas empregadas domésticas de países mais lascados e com menos oportunidades ainda que o nosso, como as Filipinas.
O que me deixou mais indignado ao ler a notícia é que as patroas achavam o máximo o fato de essas empregadas se submetem "com um sorriso no rosto" a um regime praticamente análogo à escravidão,
"O povo filipino gosta de servir", disse uma delas.
Não, minha, senhora. Ninguém aqui é contra trabalhar não. Só queremos receber o que achamos justo pelo trabalho. E cuidar de uma casa é trabalho pra caralho, vamos combinar. Tanto que, quem pode prefere pagar, não é isso? Então, paguemos o justo, inclusive com direitos.
Agora, se, em seu orçamento não couber mais empregada, não contrate. Se vira! Hoje em dia tem tutorial de tudo o que é jeito na internet.
O que não cabe mais, em pleno século XXI, é achar que alguns humanos valem mais que os outros só por ter mais dinheiro, estudos etc.
Melhoremos, humanidade.
Veja a reportagem aqui.
Abraço.

*Fonte da imagem: leitoresdojorgehessen.blogspot.com

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Ora píulas! agora é .com.br

Olá.
Primeiramente, gostaria de pedir desculpas pelo sumiço (se é que alguém sentiu falta disso aqui). Passei metade do ano passado envolto em monografia, e a outra metade, tirei para dar um tempo pra mim e organizar certas coisas de minha vida pessoal.
Agora, venho anunciar que, aos poucos, esse humilde blog vai passar por mudanças. A primeira delas é que mudei o domínio. Agora essa bagaça também atende pelo singelo nome de www.orapiulas.com.br. Por isso, atualizem seu blogroll, seus feeds, avisem aos amigos para me encontrarem nesse endereço a partir de agora.
Quanto a frequência de postagens?  Bem, não vou prometer, mas tentarei escrever algo ao menos uma vez por semana. Por enquanto, fiquem com "posto quando me der na telha". Mas prometo que tentarei não sumir.
No mais, bem-vindos de volta. Aos que chegaram agora, bem-vindos também.
Abraço.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A melhor hora para começar a pedalar

Olá.
Bem, você deve estar lendo este post porque deseja uma resposta à pergunta acima. Para respondê-la, vou contar um pouco da minha história para chegar às minhas primeiras pedaladas em uma bicicleta.
Desde que me entendo por gente, eu desejo andar de bicicleta. Mas os meus tempos de infância eram bem difíceis financeiramente falando. Então, bicicleta obviamente era supérfluo, e meus pais não poderiam comprar uma, ainda que dividida entre mim e minhas irmãs. Soma-se a isso o fato de minha mãe não achar seguro eu e minhas irmãs irmos brincar no meio da rua. Então, fomos criados dentro de casa, e nosso esquema era de casa pra escola e vice-versa.
Nesse tempo, o trânsito também era diferente. Não era caótico como hoje em dia. Logo, eu ia a pé para a escola e, quando precisava ir para mais longe, pegava o bom e velho busão.
Havia a bicicleta do meu primo como a mais disponível possível. Mas, além de não poder ir lá sempre, as poucas experiências que tive com ela não foram animadoras. O medo de cair minava a vontade de aprender.
Com essas dificuldades, portanto, fui crescendo e deixando de lado a vontade de aprender a andar de bike.
Porém, neste ano de 2014, se o cenário ainda não é o ideal para os ciclistas, os ventos começaram a mudar a favor destes.
Após alguns anos de luta por parte da classe ciclista, o poder público municipal de Fortaleza começou a realizar obras e projetos que beneficiam os ciclistas, como a implantação de ciclofaixas e, mais recentemente, uma ciclofaixa de lazer todos os domingos. E já está em implantação o serviço de bicicletas compartilhadas, que permite a qualquer pessoa pedalar pela cidade sem precisar adquirir uma magrela própria.

Bicicletas compartilhadas.

Com todos esses incentivos, e aliado ao fato de o trânsito de Fortaleza estar cada vez mais impraticável devido ao aumento de automóveis nas ruas, minha vontade de aprender a andar de bike ressurgiu com toda a força. Porém, agora tinha um novo problema: como aprender a andar depois de velho sem parecer ridículo? Sim, não tentei aprender sozinho, mesmo com uma bike à disposição, por vergonha do julgamento alheio.
Após uma pesquisa na internet, descobri uma maravilhosa iniciativa de ciclistas voluntários e que ora compartilho com vocês: o Bike Anjo.
O Bike Anjo é um projeto que visa a incentivar as pessoas a começarem a pedalar pela cidade. Para isso, eles oferecem aulas a qualquer pessoa que deseja aprender, através da Escola Bike Anjo e também se dispõem para acompanhá-lo nos primeiros deslocamentos, como ir de casa ao trabalho, por exemplo, para que o ciclista iniciante adquira confiança.
Já informado sobre a Escola Bike Anjo, decidi ir lá experimentar. Pus meu nome numa lista e esperei minha vez. Surpreendi-me com a simpatia e a atenciosidade dos voluntários, que deixaram-me bastante tranquilo e à vontade nas minhas primeiras pedaladas. Em pouco tempo, já consegui pedalar sem a ajuda do voluntário. Felizmente, peguei o jeito bem rápido. Já fazia curvas e tudo. Só precisava melhorar a freada, mas, para o começo, foi supersatisfatório.

Eu na Escola Bike Anjo, dando minhas primeiras pedaladas.

Desde esse dia então, passei a praticar todas as manhãs numa bicicleta emprestada (enquanto não adquiro a minha própria) e, a cada dia, sinto-me mais à vontade na bike, já tendo controle sobre ela. Cada vez mais, pedalar está sendo uma coisa natural pra mim.
Então, respondendo a pergunta lá em cima, a melhor hora de começar é agora. Se você deseja aprender a andar ou mesmo precisa de ajuda para pedalar pela cidade, procure o Bike Anjo na sua cidade. Se não tiver, peça ajuda a alguém de sua confiança. Mas não deixe o medo te impedir de ser feliz pedalando. Pois, quanto mais você pedala, mais coragem e confiança tem.

Abraço.

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Novo sucesso do Brasil: Hytion Plin no Hytion Fly

Olá.
De volta com a programação (a)normal desta bagaça.
Estamos orgulhosos em apresentar para todo o Brasil o próximo sucesso das galáxias. Anotem o nome dessa banda, pois vocês lembrar-se-á dela por muito tempo.
Trata-se de Felipe e Banda Envolvente trazendo o sucesso da Remela de Gato, conforme eles informam no clipe abaixo.
Bem, chega de prosopopeia flácida para acalentar bovino. Dê o play no vídeo abaixo e comece a dançar ao som de Hytion Plin no Hytion Fly.



O Ora píulas!, desde já, orgulha-se de ser um dos primeiros veículos que revelou essa banda que, com certeza, será a melhor de todos os tempos do Carnaval que vem.

Dica involuntária de postagem de Amanda Lys. Sem dúvidas, uma visionária também <3.
Abraço.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

De repente, 30



Olá.
Nada melhor do que uma data especial para tirar a poeira do blog.
Hoje, completo 30 bem vividos, ao menos na maioria.
Parece clichê, mas vejo essa idade como uma nova fase que se inicia. Já sinto-me mais seguro a fazer coisas que, antes, causavam-me receio. Inclusive, resolvi recentemente coisas que estacionavam minha vida e, consequentemente, este blog que, como já afirmei inúmeras vezes, é uma extensão do meu ser.
Aquele menino tímido da infância; aquele adolescente ainda tímido e confuso; aquele jovem que, aos poucos, foi descobrindo o quando é massa estar ao lado de outras pessoas; aquele jovem determinado, que lutou para conquistar coisas que meio mundo consideravam impossível; aquele que fez disso, um trampolim para diversas outras conquistas; todos eles se juntam ao adulto de 30 anos, maduro, calejado, que já encara com mais naturalidade as adversidades e também as bonanças da vida.
Quando comecei a escrever neste espaço, era apenas um estudante de publicidade fazendo mais um blog de variedades no meio de milhares na blogosfera e que tinha nele seu praticamente único patrimônio (o que nunca achei pouco). Hoje, tenho um emprego bacana, pago minhas contas, continuo fazendo amigos, tenho uma linda namorada e sou feliz em praticamente todas as instâncias de minha vida. E, recentemente, finalmente, depois de idas e vindas da vida, depois de ter sacrificado um pouco a faculdade, pude concluí-la e me tornar bacharel. Sim, minha vida mudou bastante de lá pra cá, e eu também.
Porém, u
ma coisa é certa. Nunca deixei de ser o garoto que olha o mundo como se tudo fosse novidade e que quer sempre renovar o olhar diante da vida.
Tenho orgulho de tudo que conquistei. Sobretudo, das pessoas maravilhosas que passaram e continuam passando pela minha vida. Às vezes, nem sei se mereço certas coisas boas que acontecem comigo, mas agradeço.
E como diria Raul: tenho coisas grandes para conquistar e eu não posso ficar aí parado.
Que venham mais alguns anos.
Para quem chegou hoje, bem-vindos. Para quem já me acompanha, bem-vindos de volta.
Abraço.